Confirmado no Floripa Chess Open 2022, catarinense Eduardo Lorenzon vence Campeonato Mundial de Xadrez Atômico

Enxadrista desde os 8 anos, Eduardo Lucas Lorenzon, mestre em Física e doutorando na mesma área na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), adora “explodir” os reis adversários nas horas vagas. O catarinense de Balneário Camboriú, conhecido como “fast tsunami” na plataforma de xadrez Lichess, conquistou no último domingo (05), uma potente e marcante explosão: venceu o Campeonato Mundial de Xadrez Atômico. Lorenzon já está confirmado no 8º Floripa Chess Open 2022, no 7º Floripa Super Blitz e participará de um evento inédito no Festival.

Lorenzon é especialista em Xadrez Atômico, uma modalidade com movimento das peças é igual ao do xadrez tradicional, com a diferença na maneira em que são capturadas. “Quando uma peça é capturada, tanto a peça capturada como a que captura são removidas do tabuleiro, além de todas as peças imediatamente ao redor da casa de captura, exceto os peões, causando uma ‘explosão’. O objetivo do jogo é então ‘explodir’ o rei adversário”, explica Lorenzon.

O campeão mundial conta que logo aos 8 anos jogava xadrez no computador contra um programa, mas como passatempo. Com 11 anos, em uma aula de educação física na escola em que choveu, começou a jogar quando um amigo levou um tabuleiro de xadrez. A partir desse momento passou a estudar xadrez e participar de competições junto com os amigos. Também contou com o incentivo do tio Alceu, que jogava com frequência com ele e até emprestou um programa para aprender mais sobre o jogo, na época em um disquete.

Eduardo somou 8 pontos em 11 rodadas do Floripa Super Blitz 2020. Foto: Lizi Vicenzi

O xadrez atômico surgiu na vida de Eduardo em 2006. “Meu amigo Fernando Dotto me apresentou as regras do jogo em Cascavel, mas apenas jogamos algumas partidas. Em 2011 era uma variante relativamente popular nos maiores sites de xadrez da época, e peguei gosto rapidamente por ela. Por não haver muito material de estudo, o progresso foi na tentativa e erro, perdendo muitas partidas para jogadores mais fortes”, destaca Lorenzon.

Além de conquistar o título de campeão mundial, Eduardo também já atingiu o recorde de maior rating de atômico na plataforma Lichess. Também já atingiu o top 100 em todas as variantes do Lichess simultaneamente. No xadrez tradicional destaca que obteve mais sucesso na modalidade relâmpago e comemora vitórias no tabuleiro contra os GMs Alexandr Fier e Krikor Mekhitarian. No on-line já venceu os GMs Alexander Morozevich e o desafiante ao título mundial, GM Ian Nepomniachtchi.

Foto: Lizi Vicenzi

A prática da modalidade fez com que Eduardo conquistasse alunos on-line também. No nickname do Lichess ele se apresenta como professor e destaca como funcionam as aulas. “No momento tenho um aluno dos EUA, muito generoso, que me paga 60 dólares. Para ele, eu faço um pacote completo, com 1 hora de vídeo aula, partidas de treino toda semana, estudos no lichess a respeito dos tópicos que ele quer estudar, além de comunicação pelo WhatsApp. Tudo isso incluso no valor. Trabalho flexibilidade, e esse valor pode variar dependendo de quais desses serviços o aluno deseja. O método de ensino passa por compreender o nível atual do aluno e buscar seu progresso, através de uma combinação de ajudar o aluno em suas maiores dificuldades, dúvidas e os tópicos relevantes que preparo com antecedência”, explica.

Foto: Lizi Vicenzi

Disputa de três meses

A conquista do mundial demorou para ser comemorada. O sistema de disputa do torneio foi de um match por semana num formato eliminatório duplo: quando um jogador perdia um match, ia para a chave de perdedores e tinha mais uma chance de prosseguir no torneio. Caso perdesse na chave dos perdedores, estava eliminado. Eduardo conta que a luta começou com 61 jogadores, e durou três meses.

“Exceto a primeira rodada, em todas as outras houve momentos de tensão, e foi muito disputado, em especial a final. Já conhecia diversos dos concorrentes, e tinha uma ideia de seus estilos e aberturas preferidas, o que facilitou a preparação. Por outro lado, eles também me conheciam. A sensação de vencer foi muito boa. Jogo a variante há um bom tempo, e ter conquistado o título máximo é bastante gratificante”, enfatiza Lorenzon.

Foto: Arquivo Pessoal

Sonhos 

Os objetivos e sonhos relacionados à modalidade, segundo Eduardo, incluem ganhar novamente o mundial além da possibilidade de escrever um livro sobre xadrez atômico. “O amigo IM César Umetsubo recentemente me mostrou um livro escrito na variante ‘antichess’, e achei a ideia interessante. Talvez num futuro de médio prazo. No xadrez tradicional, atingir a marca de 2300 de rating FIDE no blitz seria legal! No momento tenho 2256. No xadrez pensado não tenho grandes ambições. Jogo poucos torneios, mas quando vou, a parte legal é estar entre amigos, e o torneio é mais por diversão”, aponta.

O que você acha de um torneio de xadrez atômico no Floripa Chess Open? Você jogaria? Até que não decidimos, parabenizamos nosso grande amigo Lorenzon e convidamos você para enfrentá-lo no Blitz em 2022! Vai ser só explosão!

Evento Especial no Floripa Chess Open 2022

A organização anunciou o evento especial com o especialista e campeão mundial, Eduardo Lorenzon para o Festival Floripa Chess Open 2022. No dia 28 de janeiro, sexta-feira a tarde, Lorenzon ministrará uma palestra sobre Xadrez Atômico e em seguida, ele jogará contra 20 tabuleiros em uma simultânea da modalidade! As inscrições são gratuitas e os horários serão divulgados em breve nas nossas redes sociais!

 

Saiba tudo sobre o Festival aqui:

Instagram Floripa Chess Open

Facebook Floripa Chess Open

Twitter Floripa Chess Open 

 

Texto: Liziane Nathália Vicenzi (Jornalista MTB 6142) 
Assessoria de Comunicação Floripa Chess Open 2022
E-mail: lizivicenzi@gmail.com 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *